©2017 by Bicicletada. Proudly created with Wix.com

Até que enfim uma boa história para começar o ano.

January 23, 2019

 

Vamos combinar assim: o ano só começa agora.

Beleza? Pode ser?

 

E começa como todo ano tem que começar no Brasil. Na temperatura dos infernos do verão e com umas músicas infernais.

 

Tá com calor? Piscininha, amor. Piscininha.

 

Tá sem companhia? Chama a Jenifer.

 

Tá desanimado? Vira o Fábio Assunção.

 

E foi nessa virada que uma história nasceu para trazer um pouco de alívio para gente.

 

Em meio a tantas notícias estranhas sobre um certo Flávio, um famoso Fábio deu uma verdadeira aula para gente.

 

Aula de empatia, humildade, transparência e bom-senso.

 

Quando transformou o escárnio e a humilhação da música em argumento para uma causa verdadeira, Fábio Assunção mostrou para todo mundo o quanto fomos babacas ao brincar com o seu problema.

 

E tudo isso foi feito com incrível lucidez e capacidade de entender o hoje.

 

Em tempos histéricos de redes sociais e ambientes altamente tóxicos, a resposta precisa ser dada com transparência e de preferência na língua das redes.

 

É o famoso: “se voltar pra casa chorando, vai chorar em dobro”.

 

Brigou na rua? Resolve na rua.  Brigou no Facebook? Lacra.

 

Não adianta chorar com os advogados, tirar a música do ar e processar uma banda que nunca vai ter condições de pagar as multas impostas pela lei.

 

A música do Fábio Assunção já é um sucesso nas festas universitárias.

 

A Imagem do Fábio Assunção já é um MEME nas redes sociais.

 

E o homem Fábio Assunção já está lutando a sua guerra.  

 

Por tudo isso, independente da quantia arrecadada com a música para doação, Fábio e sua equipe lacraram. Não mudaram somente a imagem do ator, mudaram também a forma de como muita gente via a dependência química.

 

A causa agora ganha novos valores, a piada perde de vez a graça e nós ganhamos a chance de cuidar mais e melhor daqueles que lutam contra dependência química.

 

Na sua mensagem, o ator pede permissão para todos que compartilham do seu vício e vai além. Pede para que cuidemos um dos outros. Que olhemos mais uns para os outros.

 

Eu já topei.

 

A partir dessa história já estou usando os olhos para enxergar luta dele de um outro jeito. E vou usar os ouvidos para ouvir outras músicas.

 

Mesmo que “piscininha, amor, piscininha” não saia da minha cabeça.

 

Espero que só por esse verão.  

 

Please reload

x

x

x

x

x

x

x

x